OFICINAS TRASH 2017

inscrições até 03/12

OFICINA 1

COMO FAZER UM FILME DE TERROR EM 03 DIAS COM PETTER BAIESTORF

Oficina criada e desenvolvida pelo lendário cineasta Petter Baiestorf, autor de “Manifesto Canibal” (livro sobre como produzir cinema transgressor sem orçamento algum). “Como fazer um filme de terror em 03 dias” consiste no aprendizado prático da produção de um curta metragem de baixo orçamento utilizando aparelhos celulares. Durante a oficina, serão trabalhados todos os fundamentos da produção audiovisual.

 

Data: 07 a 09/12/2017

Horário: 14 às 17h

Local: Faculdade Araguaia

Endereço: Av. T-10, nº 1047 – Setor Bueno

Pré-Requisitos: Idade mínima 16 anos, celular próprio com filmadora e, no ato da inscrição, apresentar (em até cinco linhas) argumento para um curta de horror de 03 minutos.

Carga-horária: 9 horas

Vagas: 20 alunos

 

Conteúdo:

1º DIA:

• Desenvolvimento de roteiro

• Noções de produção

• Preparação de atores

• Busca de locações

• Filmando com celular

• Filmando com luz natural

• Uso de iluminação

• Efeitos especiais  

• Direção de arte

 

2º DIA:

• Início das filmagens

• Filmagem sequencial

 

3º DIA:

• Término das filmagens

• Uso de trilha sonora

• Montagem

• O Uso das redes sociais como ferramenta de distribuição

O curta metragem resultante da oficina será exibido no encerramento da TRASH 2017 – MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA FANTÁSTICO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PETTER BAIESTORF

Petter Baiestorf é diretor, produtor, roteirista e ator. Criou a Canibal Filmes no final de 1991 e desde então produz filmes de baixo orçamento com distribuição independente. Ativo na comunidade cinematográfica underground brasileira, é co-autor do livro “Manifesto Canibal” (Ed. Achiamé, 2004, co-escrito com o ator Coffin Souza) onde defende a produção independente sem ajuda financeira do Estado. Alguns de seus filmes: “O Monstro Legume do Espaço” (1995, longa), “Eles Comem Sua Carne” (1996, longa), “Zombio” (1999, média), “Vadias do Sexo Sangrento” (2008, média), “Ninguém Deve Morrer” (2009, média), “Zombio 2: Chimarrão Zombies” (2013, longa) e “As Fábulas Negras” (2014, onde escreveu e dirigiu o episódio “Pampa Feroz”). Participou de dezenas de festivais, dentre eles Sitges (Catalunya), Indie (Brasil), Mostra do Filme Livre (Brasil), Rojo Sangre (Argentina), Montevideo Fantástico (Uruguai) e BUTT Film (Holanda). Como ator, destaque para os títulos “Nocturnus” (1998, curta) de Dennison Ramalho, “O Sonho Segue Sua Boca” (2008, longa) de Dellani Lima e “A Noite do Chupacabras” (2011, longa) de Rodrigo Aragão.

OFICINA 2

PÓS-HORROR E HORROR NO CINEMA MODERNO E PÓS-MODERNO COM CARLOS PRIMATI

O minicurso tem como proposta analisar a produção cinematográfica dentro do gênero horror a partir da reestruturação causada pelo lançamento de "Psicose", de Alfred Hitchcock, considerado o filme que inaugurou o horror moderno. Serão explorados os códigos que definem e diferenciam o terror clássico do moderno, e em seguida a discussão seguirá para o conceito do pós-modernismo no horror – identificados neste recorte como as obras autoconscientes e que dialogam com os clichês do gênero ao mesmo tempo que envolvem o espectador na narrativa –, culminando no conceito recentemente lançado de "Pós-Horror":  filmes que evitam o lugar-comum para oferecer novas possibilidades para um gênero que é notabilizado por romper barreiras e limites.

Data: 07 a 09/12/2017

Horário: 14 às 17h

Local: Faculdade Araguaia

Endereço: Av. T-10, nº 1047 – Setor Bueno

Pré-Requisitos: Idade mínima 16 anos.

Carga-horária: 9 horas

Vagas: 20 alunos

 

Conteúdo:

 

AULA 1 - Horror Moderno

• Psicose e o surgimento do horror moderno

•As características do horror clássico

• A construção do monstro no cinema

• Os grandes mestres do terror moderno:  George Romero, Wes Craven, Tobe Hooper e John Carpenter

 

AULA 2 - Horror Pós-Moderno

• O conceito do pós-modernismo no horror cinematográfico

• A construção do repertório e formação de plateia

• O diálogo entre diretor e público no terror

• Metalinguagem e a reflexão sobre o papel do gênero

 

AULA 3 - Pós-Horror

• As narrativas existencialistas que vão além do horror

• O terror como ferramenta de reflexão

• Os grandes mestres existencialistas:  Ingmar Bergman, Roman Polanski e David Lynch

• O horror contemporâneo e sua nova configuração

 

 

 

 

 

 

 

 

CARLOS PRIMATI
 

Curador da Mostra TRASH desde 2012, Carlos Primati é jornalista, crítico, tradutor e pesquisador, especializado no gênero fantástico (horror, ficção científica e fantasia). Ministra cursos sobre o tema há mais de dez anos, indo do Expressionismo Alemão aos filmes de ficção científica da década de cinquenta e o cinema fantástico brasileiro, participando de eventos em inúmeras cidades brasileiras (Rio de Janeiro, São Paulo, Vitória, Porto Alegre, Curitiba, Cuiabá, Brasília, Fortaleza, Recife, Natal etc.). Colaborou em diversas retrospectivas da obra do cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, e criou as mostras Horror no Cinema Brasileiro (CCBB) e Macabros: O Novo Cinema de Horror Brasileiro (Sesc). É um dos curadores do Rio Fantastik Festival, que realizou sua segunda edição em 2017, no Rio de Janeiro. Colabora com textos para livros e catálogos, sempre escrevendo sobre cinema fantástico, abordando obras de personalidades díspares como Tim Burton, Ruth de Souza, George A. Romero, Kirk Douglas e Rodrigo Aragão. Como tradutor, trabalha para a editora DarkSide, em livros sobre o filme "A Hora do Pesadelo", a série "Twin Peaks", contos de Mary Shelley e Clive Barker e no levantamento da obra de Zé do Caixão para o livro "Maldito", de André Barcinski e Ivan Finotti. Participou da Trash 2016 com um curso sobre Alfred Hitchcock, tendo ainda participado de mostras dedicadas ao mestre do suspense nas cidades de São Paulo e Belo Horizonte; no momento, está organizando - em parceria de Beatriz Saldanha - o primeiro volume da coleção "Única", uma antologia de artigos sobre Hitchcock em formato de livro.